segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O ADVENTO DO SERVO MAIOR


(*) Rev. Andrés Omar Ayala

“Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho. Ele nasceu de uma mulher, submetido à lei.” (Gálatas 4.4).

Amados irmãos e irmãs: Graça, Misericórdia e Paz em Cristo!

Vivemos uma época convulsionada, confusa e corrupta. Um olhar rápido nas notícias de hoje pode, facilmente, nos deixar aterrorizados. Grande parte da decadência em que vivemos se deve à falta de referências espirituais, morais e culturais. A raiz da crise social global por que passamos é a ausência de liderança competente. Nossas famílias deveriam ser a sementeira de evangelizadores, artistas, cientistas e professores que fizessem a diferença. Contudo, geralmente, quando um de nossos filhos ou filhas nos comunicam sua decisão de ser ministro da igreja ou artista ou cientista ou professor, levamos desestímulo a eles com o seguinte argumento tão frequente: “Com isso se ganha dinheiro?”. A riqueza, o poder entendido como domínio sobre os demais e a gratificação hedonista não podem, de modo algum, ser parte das expectativas daqueles que se dizem discípulos de Jesus. Sem dúvida, a triste experiência deixa patente que os cristãos e cristãs estão mais interessados em consumir o que o mercado manda, serem prósperos e cheios de êxito, e estabelecerem-se com o poder político para manipular a sociedade de acordo com seus caprichos. Na Estação do Advento e do Natal, comemoramos a vinda do Salvador, a esperança realizada. Deus enviou seu Filho, não como um monarca cheio de prestígio, ou um homem bem-sucedido aos olhos deste mundo, mas como um servo de todos. Cristãs e cristãos, qual é nosso padrão de êxito na vida? É imitar e seguir a Jesus Cristo, ou é o dinheiro?

“Ele não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós. Como não nos dará também todas as coisas junto com o seu Filho?” (Romanos 8.32)

Servo de vocês, em fé, esperança e amor.

+Andrés

(*) Rev. Andrés é pastor reformado e moderador de Calendário Litúrgico - Liturgia Reformada.

(**) Imagem anônima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário