quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

LEITURAS DO LECIONÁRIO REFORMADO para o Dia de Natal, 25 de dezembro de 2016, Ano A, Cor Litúrgica: Branca.


Antigo Testamento: Isaías 9.2-7

Salmo 96

Epístola: Tito 2.11-14

Evangelho: Lucas 2.1-14 (15-20)


"GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS, PAZ NA TERRA, BOA VONTADE PARA COM OS HOMENS(*)." (Lucas 2.14)

(*) O anjo anuncia aos pastores o nascimento do menino Jesus, o Salvador. Assim que a boa nova é anunciada, uma "multidão dos exércitos celestiais" surge exercendo um louvor de grande alegria, composto por três partes distintas, igualmente importantes e intrinsecamente interligadas. Esse louvor mostra que a vinda do Messias também é a concretização dessas três realidades contidas no louvor da multidão celestial. Ela é a demonstração de que aqueles que reconhecem em Jesus o Filho de Deus podem ter sua realidade modificada de acordo com essa compreensão. O louvor fala da adoração a Deus, primeiramente. É o reconhecimento de seu poder e de que tudo depende dele. Deus é a realidade de todo o Universo. Nele, por Ele e somente por meio dele, todas as coisas existem e subsistem. Pela sua vontade e pela sua ação tudo foi preparado para nossa existência e a nossa vida foi feita. Na segunda parte desse grande louvor, o nascimento e a vida de Jesus Cristo traz a paz verdadeira para o nosso lugar de vivência: a Terra. Esse é o desejo e esse é todo o ensinamento do Salvador durante sua vida, e para isso a entregou por completo, persistindo até a morte de cruz. É por meio do entendimento das palavras e dos exemplos de Jesus que podemos adquirir essa paz na Terra, não somente uma paz aparente e que depende das circunstâncias, mas uma paz que é tão grande que preenche nosso ser interior. Essa paz deve expandir-se a ponto de chegar àqueles que vivem ao nosso redor, transformando em realidade o louvor que canta: "Paz na Terra". Por fim, o louvor fala dessa relação entre as pessoas: é necessário que aprendamos a mensagem de Jesus Cristo a partir dessa dica do grande louvor da multidão dos exércitos celestiais, que tem seu destino na relação entre as pessoas. Quem compreende a grandeza de Deus, que é por Ele que tudo se faz, que seu poder é infinito e incompreensível para nós, e que dependemos de sua eterna misericórdia e bondade; e quem entende a mensagem e os exemplos de Jesus, conseguindo essa paz interior que se expande pela Terra é o ser humano que tem a capacidade de entender que somente pela boa vontade para com os semelhantes pode-se levar a cabo a Missão de Jesus Cristo. O grande louvor da multidão celestial ocorreu porque eles estavam vendo que, ali, naquele lugar tão longe do Oriente Médio, nascia o enviado de Deus, o Messias que faria com que a humanidade pudesse compreender e agir de forma que se irmanassem a ponto de fazer nascer em seu coração a esperança, a fé e o amor. Ao nascer Jesus, nasce em nós essa possibilidade de fazer de nosso futuro e do futuro desta Terra uma nova oportunidade. É nascer Deus em nós. FELIZ NATAL!

Pacem in Terris!


Publicado toda quinta-feira (ou perto disso) por aqui e no Twitter @revsandroxavier.


Imagem: Autoria desconhecida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário