quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

LEITURAS DO LECIONÁRIO REFORMADO PARA O 4º DOMINGO APÓS A EPIFANIA, 29 DE JANEIRO DE 2017ANO A, COR LITÚRGICA: VERDE


Sermão da Montanha

Antigo Testamento: Miqueias 6.1-8

Salmo 15

Epístola: 1Coríntios 1.18-31

Evangelho: Mateus 5.1-12


"FELIZES OS QUE PROMOVEM A PAZ (*), PORQUE SERÃO CHAMADOS FILHOS DE DEUS." (Mateus 5.9)

(*) No Sermão da Montanha, Jesus Cristo deixa claro que o valor mais importante para o ser humano conseguir a liberdade, a felicidade, a realização pessoal e a salvação definitiva é o próprio Deus. Nessas palavras, entendemos o que Meister Eckhart dizia ao ser necessário nos abandonarmos por completo no próprio Deus (Abgeschiedenheit). Nem interesse em coisa alguma, nem a nossa própria saúde, nem nossa própria segurança, nem família, nem bens, nem nós mesmos podemos ser mais importantes que o próprio Deus e a missão de estarmos entregues ao seu Reino de Amor. Jesus fala de prerrogativas que são importantes para Deus e que este mundo não dá valor. Aliás, para muita gente, entregar-se ao que Jesus orienta no Sermão do Monte é entregar-se à fraqueza e ao fracasso. Mais uma vez, o Messias deixa claro que o seu reino "não é deste mundo". Vamos elencar e pensar na "pobreza de espírito", "mansidão", "aflição", "fome e sede de justiça", "misericórdia", "pureza de coração", "promoção da paz", "perseguição por justiça", "insulto e perseguição por causa de Cristo". Essa deveria ser a pregação feita na maioria dos púlpitos cristãos no mundo. Ocorre que há muita incitação ao ódio, muita exaltação da riqueza a qualquer custo, muita atitude que justifica os meios pelo fim. A paz tornou-se algo a ser conquistado por meio de violência. A famosa frase "se queres a paz, prepara-te para a guerra" é falaciosa. Se você quer a paz e está ansioso por viver em um mundo de paz, deve se preparar para viver em paz e ser alguém pacífico. Alguém que se prepara para a guerra só anseia a guerra e não saberá fazer mais nada diferentemente da própria guerra. Olhará para o seu próximo esperando um inimigo e jamais terá condições de ser um promotor da paz. Estar em paz é viver em tranquilidade e sossego. No  campo das relações, seja entre pessoas ou entre nações, é o estabelecimento de amizade, de ordem. A paz pode ser também relacionada com a libertação de doenças. Mas a paz não é somente a ausência de guerras entre povos. Ela é, acima de tudo, na concepção pregada por Jesus, resultado da obediência a Deus. Para isso, o Salvador dá a fórmula: seja manso, puro de coração, promova a paz, deseje a justiça, aja com misericórdia. Que Deus possa nos chamar de seus filhos, sendo promotores da paz a qualquer custo. Por fim, declaro a ti: "Se desejas a paz, prepara-te para a paz". Confia na paz que Jesus proclama e nos promete... ela vem!

Pax et Bonum!


Publicado toda quinta-feira (ou perto disso) por aqui e no Twitter @revsandroxavier.


Imagem: Sermão da Montanha (1481-82), por Cosimo Rosselli, na Capela Sistina, Vaticano)

Nenhum comentário:

Postar um comentário