sexta-feira, 17 de novembro de 2017

LEITURAS DO LECIONÁRIO REFORMADO PARA O 24º DOMINGO APÓS PENTECOSTES (33º DO TEMPO COMUM), 19 DE NOVEMBRO DE 2017ANO A, COR LITÚRGICA: VERDE.


Parábola dos Talentos


Antigo Testamento: Juízes 4.1-7

Salmo 123 ou Sofonias 1.7,12-18 ou Salmo 90.1-8,(9-11),12

Epístola: 1Tessalonicenses 5.1-11

Evangelho: Mateus 25.14-30


"POR ISSO, FIQUEI COM MEDO, E ESCONDI O TEU TALENTO NO CHÃO. AQUI TENS O QUE TE PERTENCE." (Mateus 25.25)

(*) Para a teologia integral, todos os dons a serviço da vida e da humanidade são outorgados por Deus. O Criador iniciou a sua obra e nos escolheu para continuar na sua conclusão. Isso pode ser percebido quando, já no Jardim do Éden, o Pai de Amor nos dá uma série de tarefas para com a natureza, a fauna e a flora, e os outros seres humanos. Na vida moderna, muitos são esses dons. Sem dúvida, eles não estão enclausurados aos talentos direcionados aos trabalhos eclesiásticos, como pregação, ensino, música e afins. Os serviços paralelos na igreja também são, hoje, considerados dons necessários ao serviço para o Reino de Deus, a saber, uma limpeza do templo, uma confecção de materiais a serem utilizados no culto, uma recepção de visitantes, um preparo de boletins e escritos, aulas, organização de cozinha etc. Paralelo a isso, incluímos os serviços que a igreja oferece a toda a comunidade que a cerca. Hoje mesmo, com o processo de globalização, facilitado pela internet, e o incentivo à interdisciplinaridade, vemos como úteis para a ação de serviço aos que necessitam: psicólogos, médicos, assistentes sociais, motoristas, enfermeiros, professores, entre outros. No fim das contas, chegamos aos profissionais de toda monta, toda mesmo. Se você foi levado a buscar orientação para trabalhar com turismo, biblioteconomia, edição de textos, educador físico, psiquiatra, gari, eletricista, mecânico, advogado, engenheiro etc. etc. etc., faça isso com todo o amor, dedicação, seriedade e considerando a necessidade do outro, não somente o acúmulo selvagem de bens. Afinal, muita gente pensa que seu trabalho somente serve para seu sustento ou para ficar rico. Quando é assim, o "cliente" somente é alguém que vai lhe trazer um numerário. Assim, perde-se a humanidade. Esconder talento é receber de Deus a possibilidade de multiplicar o que Deus lhe deu. Não... você não recebeu um dom de Deus só quando resolver "aceitar um chamado" para ser pregador, dirigente de louvor, professor de escola dominical, regente de coral ou qualquer tarefa da igreja. Seu trabalho neste mundo é dom de Deus. Ele não pode ficar escondido. Quem não sente um incômodo por não estar fazendo aquilo para o que sabe que tem dom ou foi preparado para tal? Se não sente, está enterrando o talento. Afinal, é bom lembrar que seremos cobrados pelo uso desses dons. Sejamos servos do Reino de Amor para tantos que precisam daquilo que Deus nos deu. 

Acti Labores Iucundi!


Publicado toda quinta-feira (ou perto disso) por aqui e no Twitter @revsandroxavier.


Imagem: Parábola dos Talentos. Xilogravura encontrada no livro Historiae Celebriores Veteris Testamenti Iconibus Representatae.

Nenhum comentário:

Postar um comentário