quinta-feira, 6 de outubro de 2016



LEITURAS DO LECIONÁRIO REFORMADO para o 21º Domingo após Pentecostes, 9 de outubro de 2016, Ano C, Cor Litúrgica: Verde.


Antigo Testamento: Jeremias 29.1,4-7
Salmo 66.1-12 ou 111 ou 2Reis 5.1-3,7-15c
Epístola: 2Timóteo 2.8-15
Evangelho: Lucas 17.11-19

"NÃO HOUVE QUEM VOLTASSE PARA DAR GLÓRIA A DEUS, A NÃO SER ESTE ESTRANGEIRO?" (Lucas 17.18)
(*) Cura e salvação são bênçãos diferentes. Elas podem ser oferecidas por Deus. Jesus Cristo tem o poder de curar, como tem poder de te expulsar os demônios, de te fazer prosperar (aliás, os maiores desejos daqueles que buscam a Deus para ter "coisas": a tríade da Teologia da Prosperidade - cura, exorcismo, prosperidade). Muitas das bênçãos materiais são a maneira de o abençoado compreender o poder de Deus e se aproximar dele. Notemos que os dez foram abençoados. Os dez obtiveram o que procuraram de Jesus Cristo. Ele, de graça e por graça, outorgou a bênção da cura, do restabelecimento da saúde e, consequentemente, da alegria, da vida plena, apartada daquele problema que lhes tiravam a tranquilidade. É pura misericórdia sem verificação de precedente. Comparemos a atitude desses que se aproximavam de Jesus lhe implorando por solidariedade e por uma ação de libertação à prática de hoje. Muita gente procura as igrejas para que lhe sejam curadas as dores, para que se lhe consiga um emprego, para que tenha esperança de arranjar um consorte, para que obtenha um carro, um apartamento, um negócio etc.  Se procurarmos saber como é a atitude de gratidão dessas pessoas, poderemos ouvir que, sim, elas são gratas, pois dão uma "oferta de amor". Ora, o lugar onde você vai obter "coisas" e pagar por elas chama-se "mercado", não igreja. Na comunidade de fé, oferecem-se as bênçãos de Deus, outorgadas pela fé em Jesus Cristo, não mercadorias. Lá as bênçãos são dadas pela misericórdia de Deus, sem avaliação prévia de nenhum tipo de atitude ou comportamento. É dom de Deus. A fé para obter coisas é comum. Aliás, é bom salientar que não é prerrogativa do mundo cristão. Saiba que muita gente é curada de câncer ou consegue bons empregos, livra-se de perseguições, por meio da fé exercitada em outras manifestações religiosas. Até mesmo sem nenhum tipo de declaração de crença. O diferencial, aí, está naquele único que voltou. Aquele que agradeceu e reconheceu a grandeza do poder de Jesus Cristo, e se mostrou aberto a conhecer uma ação diferente que muda a realidade da pessoa e da sociedade, conseguiu sabe o quê? A salvação. "Sua fé o salvou." Sim! A fé daquele samaritano (significa dizer que era alguém de quem não se esperava tal atitude, nem de fé nem de retorno para agradecer, posto que era, inclusive, tratado como inimigo) não somente o trouxe cura, não somente lhe deu algo material, uma "coisa", a qual se pode comprar - no caso da cura, um bom plano de saúde, um poder aquisitivo para pagar tratamentos e remédios, etc. -, mas lhe deu a salvação de sua vida. Essa atitude foi valorizada por Jesus e demonstrou a ele o que era importante. Dar cura, prosperidade e libertação de opressão, sim, ele dá a quem ele quer, em qualquer ambiente, por meio de quem quiser, no momento que lhe é propício, mas a salvação, também dada por ele, requer uma demonstração acima do desejo do coração por "coisas". O amor passa a extrapolar a si próprio e vai fazer morada em Deus. Assim, demonstra-se que se ama ao próprio Deus e não as coisas que se deseja.
Melior est im Via, Amor Dei quam Dei Cognitio!

Publicado toda quinta-feira (ou perto disso) por aqui e no Twitter @revsandroxavier.

Imagem: "Jesus curando dez leprosos" (1886-94), por James Tissot, no Museu do Brooklyn, Nova York.

Nenhum comentário:

Postar um comentário