quinta-feira, 29 de setembro de 2016

LEITURAS DO LECIONÁRIO REFORMADO para o 20º Domingo após Pentecostes, 2 de outubro de 2016, Ano C, Cor Litúrgica: Verde.

(em www.apaz.com.br)

Antigo Testamento: Lamentações 1.1-6

Lamentações 3.19-26 ou Salmo 137 ou Habacuque 1.1-4;2.1-4 ou Salmo 37.1-9

Epístola: 2Timóteo 1.1-14

Evangelho: Lucas 17.5-10


"SE VOCÊS TIVESSEM FÉ(*) DO TAMANHO DE UMA SEMENTE DE MOSTARDA, PODERIAM DIZER A ESTA AMOREIRA: 'ARRANQUE-SE DAÍ, E PLANTE-SE NO MAR'. E ELA OBEDECERIA A VOCÊS'." (Lucas 17.6)

(*) Com parábolas e metáforas, Jesus fala a mais profunda verdade a respeito do ser humano e sua relação com Deus. Todavia, percebemos a importância de abordar a relação do que a pessoa tem com ela mesma. Qual é a visão que alguém tem de si? O que um indivíduo espera de sua vida? O que cobra de si e para si? Jesus Cristo mostra que é importante conhecermos nossa realidade: a condição humana. A limitação que temos faz de nós efêmeros, falhos, e sujeitos a cobrar de nós mesmos e dos outros. Ocorre que, na fragilidade humana, também carregamos a ilusão de que somos melhores que aqueles que nos rodeiam. Com isso, a cobrança que teríamos de nós mesmos passa a apontar para os outros. Ela vem muito mais cruel e eivada de condenações e formas de punição tão elaboradas e com requintes de crueldade que assustam não somente seus alvos, mas a outros que assistem e ouvem as sentenças. Com relação a si próprio, o ser humano tende a esperar sentimentos e ações espetaculares. Da mesma forma, solicita sempre de Deus o que há de mais fantástico para resolver seus problemas (muitos deles criados por ele mesmo). A solicitação dos apóstolos para que Jesus aumentasse a fé deles foi respondida com o exemplo do grão de mostarda. O Mestre sempre utilizou comparações simples para mostrar a grandeza do Reino de Deus. Para a fé, foi a mesma atitude: um grão minúsculo, talvez o menor de todos, necessário para demonstrar uma grande fé. Foi como dizer: "Fé, ou você tem ou não tem e pronto". Se você crê, assim será. E não importa como será. Vai ser do jeito que Deus quer e será um grande mistério para aquele que não crê. Trata-se, portanto, de ajustar essa necessidade dentro de você. Trata-se de compreender a natureza humana, a natureza de Deus, os propósitos de Deus para a sua criação e colocar-se à disposição dele. Dessa forma, as amoreiras plantar-se-ão no mar, porque você sabe quando, como e por que as amoreiras precisariam ir para lá. Veja, não somente para atender seu capricho, mas para uma prerrogativa do próprio Deus, que comanda a natureza como um todo. Com o entendimento da metáfora trazida por Jesus Cristo, você percebe que sua fé estaria lá, mas quando se compreende realmente a ação de Deus na nossa vida e a nossa entrega a seus propósitos, abandonando nossos desejos egoístas e ególatras.

Sola Fide!


Publicado toda quinta-feira (ou perto disso) por aqui e no Twitter @revsandroxavier.


Imagem: Grãos de mostarda (encontrado em www.apaz.com.br).

2 comentários:

  1. A busca da natureza humana em diálogo com a busca da natureza divina pode transpor a idéia monolítica construída pela cristandade de um deus totalmente fora sem nenhuma conectividade com os seres humanos como imagem dEle, que leva aos cristãos a não conhecerem a natureza Comunitária de Deus de absoluta comunhão que nos convida a anunciar que todos podem pertencer, pela fé, a mesma fé que se manifesta de modo difuso e enriquecedor nas diversas culturas revelando a espiritualidade bíblica.
    Agradeço muito Sandro Xavier porque reflexões como esta nos ajuda nesta construção que liberta do materialismo e da dependência de processos que mais incensam o egoísmo, que desconstrói o velho homem fazendo nascer dos escombros das sociedade ocidental um cristão que se abre para a possibilidade nova e atualizadora que o Espírito Santo nos oferece, viver simplesmente pela fé.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, meu irmão!... Aguardamos texto seu também para nos edificar!

    ResponderExcluir