sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

LEITURAS DO LECIONÁRIO REFORMADO PARA O 6º DOMINGO APÓS A EPIFANIA, 12 DE FEVEREIRO DE 2017ANO A, COR LITÚRGICA: VERDE





Antigo Testamento: Deuteronômio 30.15-20

Salmo 119.1-8

Epístola: 1Coríntios 3.1-9

Evangelho: Mateus 5.21-37


"EU, PORÉM, LHES DIGO: TODO AQUELE QUE FICA COM RAIVA DO SEU IRMÃO, SE TORNA RÉU PERANTE O TRIBUNAL. QUEM DIZ AO SEU IRMÃO: 'IMBECIL', SE TORNA RÉU PERANTE O SINÉDRIO; QUEM CHAMA O IRMÃO DE 'IDIOTA', MERECE O FOGO DO INFERNO." (Mateus 5.22)

(*) Muitas vezes orientamos os irmãos e irmãs para que atentem às palavras de Jesus Cristo, quando ele orienta mais para o amor do que para o julgamento. Vivemos tempos de embates efusivos de opiniões que não dão margem para que o outro pense, um tantinho que seja, diferente. A reação é agressiva, excludente e cheia de manifestações de ódio. A Bíblia tem, sim, muitas opiniões diferenciadas sobre diversos aspectos da vida humana. É bom salientar, também, que há uma forma de lidar com o povo bem específica para cada situação, cada tempo, cada lugar, utilizada pelo próprio Deus. O ser humano, ainda na sua forma primitiva, precisava ser moldado por Deus para que amadurecesse em suas visão de mundo. O Criador fazia assim como fazemos com nossos filhos: devemos saber que a fase da maturidade ainda chegará, a compreensão, os valores... por isso mesmo, muita coisa é ensinada e direcionada nessa fase infantil do indivíduo. Jesus Cristo chega e mostra a face de um Deus solidário. O Salvador mesmo é o próprio Deus vivendo entre nós e compreendendo nossas dificuldades. Sendo assim, ele mostra o que pode ser feito e compara as leis e suas interpretações. Desse modo, dizer que a orientação para amar o pecador e tentar compreendê-lo, em vez de levar pura e simplesmente condenação ao inferno, é uma forma de "relativizar" o texto bíblico, pode ser uma incompreensão desse movimento e da mensagem radical de Jesus Cristo. O que o Mestre nos aponta como cumprimento da lei (não somente da lei veterotestamentária ou da chamada Lei de Moisés, mas da lei de Deus, aquele que é Todo-Amor) é muito mais radical e difícil de ser cumprido. Senão vejamos as duas lições que Jesus Cristo dá nessas perícopes apresentadas para este domingo. Na primeira, ele comenta a situação do assassinato. Claro que era criticado o fato de alguém matar outra pessoa. Hoje mesmo, ouvimos muita gente dizer: "Sou uma pessoa boa. Nunca matei ninguém". Imagine, também, o tanto de gente que se julgava superior aos outros porque nunca tinha "matado ninguém". Jesus, com seu radicalismo de amor, mostra que não é vantagem nenhuma você nunca ter matado fisicamente alguém se você sente raiva de outra pessoa a ponto de ficar feliz com seu mal, se você agride seu irmão com palavras equivalentes a "imbecil" ou "idiota". Nem mesmo dar grande oferta para aplacar a decepção divina servirá (indulgências ou compra de bênçãos). Só um acordo ou o perdão de coração pode ajudar o rancoroso. Na segunda parte, Jesus comenta sobre o adultério. Ele vai além da situação somente daqueles que fisicamente passam para a etapa de estarem com outras pessoas. Jesus bota o dedo na ferida daqueles que nunca fizeram isso e se orgulham de (talvez por puro medo) não terem dormido com outras pessoas fora do casamento. Entretanto, somente o olhar com impureza para outra pessoa, com desejos ulteriores ou com lascívia, já leva o indivíduo a um pecado equivalente. Com isso, Jesus Cristo mostra que não há condição de que o ser humano alimente em si próprio uma pureza diferente das outras pessoas. Não há status no pecado. Quando somos orientados a confessar nossos pecados a Deus, reconhecer nossa condição humana, cheia de falhas e propensos à maldade, é porque isso é inerente ao gênero humano. Sem essa compreensão, criaremos uma escala de maldade, em que você será convidado a comparar o seu pecado com o outro e, com isso, a soberba tomará conta do que é, teoricamente, mais bonzinho. Jesus nos convida a reconhecer o nosso pecado, a despeito de que o pecado do outro pareça muito maior.  Com isso, seremos pessoas que vivem constantemente lutando contra esses desejos e pensamentos maus que tomam conta da gente a cada dia. Se você não cometeu (talvez por um grande controle), saiba que somente pensar já é um pecado. Controle, afaste esses pensamentos, peça perdão, reconheça que não é melhor que ninguém e siga adiante, oferecendo sua mão amiga e sua solidariedade a quem ainda é muito fraco pra conseguir. E ofereça Jesus Cristo, nossa força e nosso exemplo. "Porque todos pecaram e estão afastados da glória de Deus".

Agnus Dei, Qui Tollis Peccata Mundi, Miserere Nobis!


Publicado toda quinta-feira (ou perto disso) por aqui e no Twitter @revsandroxavier.


Imagem: Representação de um cordeiro (séc. 13), em exposição no Museu do Louvre (Paris).

Nenhum comentário:

Postar um comentário